domingo, 6 de maio de 2012

ipad, iphone, ipod, pode?


Steve Jobs está em muitas vidas. A Apple invade as casas, as mãos, os ouvidos e as mentes.
E como viver sem eles? Esses brinquedinhos eletrônicos maravilhosos, que norteiam os melhores momentos da nossa vida, o lazer?
Difícil admitir, mas dá prazer ter um produto da Apple. Desde o site da loja virtual, a compra, o pós venda, o atendimento ao cliente, a embalagem, o manual, cada detalhe faz dessa experiência uma satisfação única. Aquela sensação em que você pensa "valeu o dinheiro que eu paguei, e se tivesse que comprar de novo, o faria".
No meu conceito isso se chama respeito ao consumidor.
Para completar, se você escolhe um determinado modelo exclusivo da Apple Store, uma parte do valor pago é doada ao combate da fome em algum lugar do mundo.
Além disso, os produtos são ecologicamente corretos, fabricados visando o bem do planeta.
Não bastasse sua marca forte, se associou também à Nike para ser pioneira do chip Nike +, para se colocar na sola do tênis, passando a Ipod a operar como monitor dos exercícios e treinos. Depois você descarrega tudo no site da Nike, tem todo o histórico das suas corridas monitoradas e guardadas, e ainda pode compartilhar seus desafios e conquistas com seus amigos nas redes sociais.
Por enquanto só tenho um aparelhinho não maior que 5 cm x 5 cm, um Ipod Nano, com meu nome gravado a laser "Silene Lado B", cortesia da Apple (mais um mimo), mas a sensação é ótima, e a utilidade melhor ainda! Adorei!
Parabéns Apple!

terça-feira, 1 de maio de 2012

Ayrton Senna da Silva

Não sou de ter ídolos. Nem ao menos sou muitíssimo fã de esportes. Mas há ídolos que se instalam naturalmente em nossas vidas. Foi assim com Ayrton Senna.
As alegrias e tristezas dos domingos de Fórmula 1 faziam parte da minha vida. A torcida e a musiquinha da vitória quando alcançada. Madrugadas em claro quando a corrida era do outro lado do mundo.
As poucas palavras do ícone, falando de vitórias e derrotas, de Brasil, de nacionalismo, de sonhos, de igualdade, cativavam a todos. Coisas que vão tomando conta da nossa emoção, e sem querer você está ali, extasiada e vibrando novamente pela vitória.
Cada vitória do Senna era como uma alma lavada para os brasileiros sofredores.
Me lembro dele ganhando e perdendo em Interlagos. Eu entregava folhetos no dia da prova, e rezava para acabarem logo para que eu pudesse correr para a arquibancada da reta oposta e aguardar o show.
E há 18 anos atrás foi quase inacreditável ouvir Roberto Cabrini anunciar a morte cerebral de Ayrton Senna em Imola, e mais tarde, anunciar a morte oficial: "morreu Ayrton Senna da Silva, uma notícia que a gente nunca gostaria de dar, morreu Ayrton Senna da Silva". Luto nacional e tristeza em cada olhar.
Enfim, um sentimento desses é bom relembrar, assim como ter a certeza que Deus sabe o que faz. Senna cumpriu sua missão e deixou muito a aprender para muita gente. Legados do bem, lições de vida, e muitos momentos alegres para ficar na memória para sempre.
Ayrton, aonde estiver, minhas saudações e saudades. Obrigada!